sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Como havíamos prometido, disponibilizamos abaixo para você um pequeno trecho da nossa próxima e mais nova apostila que irá compor nossa grade curricular de matérias. A apostila tem por tema "Introdução ao Novo Testamento", da autoria do Pb. Roney Ricardo.
BOA LEITURA! 

1 – INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO
            Este trabalho que o leitor ou a leitora tem em mãos objetiva analisar a segunda grande divisão da Bíblia, o Novo Testamento, em seus principais aspectos: sua classificação em grupos de assuntos, as condições sócio-políticas da Palestina e do Mundo na época em que o Novo Testamento foi escrito, os aspectos teológicos que envolvem os livros neotestamentários e outras informações importantes aqui mostradas. É importante considerar ainda que esta apostila é sucinta dentro deste assunto, pois as riquezas desta matéria – Introdução ao Novo Testamento – não poderiam aqui ser todas exauridas; reconhecemos isto. Na verdade, esta apostila é, de fato, uma introdução ao estudo do Novo Testamento; trata-se mesmo de uma visão panorâmica do Testamento Novo. O método de estudo da Bíblia aqui utilizado é o método sintético, que estuda a Bíblia de forma resumida, à partir de uma visão geral, panorâmica, ao contrário do método analítico, que faz o contrário, analisando a Bíblia pormenorizadamente. Fazemos questão de ressaltar isto aqui para que o aluno não se sinta frustrado em relação ao conteúdo da apostila face ao tema, que é muito vasto. Por isso é fundamental que você não se detenha somente nesta apostila, que é o nosso manual de estudos, mas que procure em outras fontes confiáveis, algumas das quais citamos na Bibliografia ao final desta apostila.
            Estudar Introdução ao Novo Testamento é de uma riqueza profunda para o estudante da Bíblia, pois esta matéria traz para ele informações essenciais pertinentes à esta parte da Bíblia. Por isso, estude com afinco esta apostila, lendo e relendo, a fim de armazenar a maior quantidade possível de informações aqui contidas as quais haverão de lhe ajudar na melhor compreensão do Novo Testamento. A fim de ganharmos tempo e espaço nesta matéria, utilizaremos a sigla NT para Novo Testamento em toda a extensão desta apostila.

AS DIVISÕES DO NOVO TESTAMENTO
            O Novo Testamento está divido em quatro grandes seções. Ele tem ao todo 27 livros, 260 capítulos e 7.959 versículos. Vejamos a seguir estas divisões e subdivisões do NT:

1 – Biografia. É a primeira parte dessa quádrupla divisão do NT, sendo composta pelos quatro primeiros livros: Mateus, Marcos, Lucas e João. Esses livros são chamados de biográficos por tratarem do nascimento, ministério, morte e ressurreição de Jesus. Eles tratam da biografia do Mestre, relatando seus feitos, milagres, ensinos, etc.
            Os livros de Mateus, Marcos e Lucas, apresentam uma certa semelhança entre si, sendo chamados de livros sinopticos. A palavra sinoptico vem do grego e significa “ver junto”.

2 – História. O NT também tem a sua seção de história, mas diferentemente do AT, o NT só tem um livro que trata disso – o livro de Atos dos Apóstolos. Ele foi escrito por Lucas, que é possivelmente o único escritor não judeu dentre todos os escritores da Bíblia. Foi ele quem também escreveu o livro de Lucas; era médico e esteve ao lado de Paulo. No livro de Atos, ele registra com precisão detalhes históricos relativos à igreja primitiva, como a expansão do cristianismo através das viagens missionárias do século I, desde o dia de pentecostes até a ida de Paulo para Roma, como prisioneiro.

3 – Epístolas. Esta seção do NT é também chamada de Doutrina; é a seção epistolar, pois é constituída somente de epístolas. Ela está subdividida em três partes principais:
a) Epístolas Paulinas, que são as epístolas escritas por Paulo; essas, por sua vez, estão divididas em quatro partes: a) primeiras epístolas; b) grandes epístolas; c) epístolas da prisão, e d) epístolas pastorais;
b) Epístola aos Hebreus, endereçada a crentes judeus que passavam por aflições; esta carta aparece de forma destacada por seu conteúdo ser bem distinto das demais; e,
c) Epístolas Gerais ou Universais, escritas por autores diversos, endereçadas a todos os cristãos, indistintamente.
As epítolas (ou cartas) do NT são em número de 21, sendo 13 atribuídas à autoria de Paulo. Na literatura paulina, temos as primeiras epístolas, isto porque foram as primeiras a serem escritas pelo apóstolo. As grandes epístolas recebem essa designação por seu extenso conteúdo. Embora Gálatas não tenham um extenso texto, ela aparece nessa classificação por sua estreita ligação com Romanos. As epístolas da prisão são as que foram escritas por Paulo quando esteve preso. Não se sabe com certeza onde ele estava preso nem se ele as escreveu de uma única prisão. Por fim, temos as epístolas pastorais, que são cartas endereçadas a indivíduos e não à igrejas, como no caso das outras. Tem um caráter pastoral mesmo, pois tratam da ordem e condução de igrejas estabelecidas.

4 – Profecia. Esta última seção em que está dividido o NT também se constitui de um livro apenas – Apocalipse. É o livro profético do NT. O autor é João, o mesmo que escreveu o livro de João, mais as três cartas que levam o seu nome. É interessante frisar aqui que é incorreto pensar que João tenha escrito Apocalipse na ilha de Patmos, pois na verdade não foi isso que aconteceu. Na ilha rochosa de Patmos ele recebeu a revelação divina, a qual ele registrou nesse livro ímpar em toda a Bíblia, mas o livro foi escrito quando de seu retorno para a cidade de Éfeso, onde, segundo a tradição, pastoreou a igreja que havia ali até a sua morte, já no final do primeiro século da Era Cristã, entre 81e 96 d.C. A palavra “apocalipse” vem do grego apokalupsis (αποκαλυψις), que é a primeira palavra constante no livro e significa, basicamente, “revelação”. O livro é rico em símbolos e figuras, retratando circunstâncias históricas, do reinado de Domiciano, imperador romano, e descortinando eventos futuros que se cumprirão muito em breve.

ASPECTOS SÓCIO-POLÍTICOS E RELIGIOSOS DA PALESTINA E DO MUNDO
NA ÉPOCA DA ESCRITA DO NOVO TESTAMENTO
1 – Aspectos sócio-políticos da Palestina e do Mundo neotestamentários. Os principais aspectos sociais e políticos da Palestina e do Mundo na época do Novo Testamento foram caracterizados pelos seguintes fatos:
a)    O domínio de Roma sobre o Mundo da época;
b)    A forte influência da cultura grega sobre o Império Romano, notando-se inclusive o fato de que o Novo Testamento foi escrito majoritariamente em grego koiné.

            A Palestina era uma província romana no tempo de Cristo e estava dividida em três principais regiões; são elas:

1)    Galiléia ao Norte;
2)    Samaria ao Centro e,
3)    Judéia ao Sul.

            A parte norte da Palestina era chamada de Galiléia e os seus moradores eram considerados culturalmente atrasados. Jesus veio da Galiléia e foi chamado de “o Galileu” (cf. Mt 26.69). Esta região estava dividida em “Alta Galiléia” e “Baixa Galiléia”. Foi na Galiléia que Jesus escolheu seus primeiros apóstolos, como vemos em Mateus 4.18-22. É na Galiléia que se situa o tão conhecido “Mar da Galiléia”, que é na verdade um grande lago de água doce alimentado pelo rio Jordão e não um mar propriamente dito. É que devido à grandeza deste lago (ele mede 24 kms de comprimento e 14 de largura) e também devido às fortes tempestades que o acometem. No NT, ele recebe outros nomes: Mar de Quinerete, Mar de Tiberíades e Lago de Genezaré.
            A região central da Palestina era Samaria, tendo a leste o rio Jordão e a oeste o Mar Mediterrâneo. Os samaritanos eram o resultado de uma mistura de povos por ocasião do cativeiro de Israel em 722 a.C. Eles não se davam com os judeus devido a diferenças de raça, costumes e religião (Jo 4.9). Jesus, no entanto, passou por Samaria (Jo 4.4,5) e ordenou que os discípulos evangelizassem aquela região (At 1.8).
            Os judeus que voltaram do exílio babilônico se instalaram na parte sul da palestina e eram em sua maioria descendentes da tribo de Judá, daí o termo “Judéia”. Essa região media aproximadamente 90 kms de extensão de norte a sul e aproximadamente a mesma distância de leste a oeste. O termo “Judéia” era frequentemente utilizado para se referir à toda a província romana da Palestina (Lc 1.5; 4.44; 7.17; At 10.37).

            Facilitadores da Difusão do Evangelho

            O domínio romano sobre o mundo conhecido de então gerou fatores que contribuíram para a melhor difusão do cristianismo. Um desses fatores foi a construção de ótimas estradas pelo Império Romano. Diz-se que as viagens nos tempos do apóstolo Paulo eram mais bem organizadas do que as que eram feitas nos tempos de Wesley, no século XVIII. De fato, as cartas de Paulo circularam por vários lugares do Império. Há também que se considerar o aquecido comércio da época, que era em grande parte marítimo, pois gerava uma demanda de aproximadamente 2000 embarcações para o transporte de 180 mil a 190 mil toneladas de trigo por ano que eram importadas por Roma! Não é de se admirar, portanto, que encontremos mercadores cristãos como Lídia em Filipos, 450 kms distante de sua terra natal, Tiatira.
            Outro fator importante que facilitou o cumprimento da ordem de Jesus aos discípulos na Grande Comissão (Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” – Mc 15.16) foi o da língua comum no Império Romano. O grego tornou-se língua comum em todo o Império e o próprio termo “grego” já não era mais uma identidade apenas regional, isto é, de determinada região, mas era antes um termo cultural, como vemos, por exemplo, em Marcos 7.26 onde a mulher siro-fenícia foi chamada de “grega”. A Siro-fenícia era uma região costeira da província romana da Síria. Vale ressaltar um vital acontecimento relativo à lingua grega que foi a tradução das Escrituras hebraicas para o grego – estamos falando da Septuaginta, a tradução dos setenta, feita por volta do terceiro século antes de Cristo. Ela foi a primeira tradução conhecida do hebraico para o grego. Todo o texto do Antigo Testamento hebraico foi vertido para a língua grega na cidade Alexandria, no Egito, para os muitos judeus que ali viviam e que não conheciam a língua hebraica.
            Não podemos deixar de frisar que o grego é uma língua muito rica. Esse idioma foi durante mais de três mil anos uma língua viva e, portanto, passou por várias mudanças. O grego utilizado pelos escritores do NT foi o grego Koiné, que era uma forma do grego muito usada nos tempos do NT, era na verdade uma língua franca, isto é, comumente falada naqueles tempos. O renomado teólogo Norman Geisler faz a importante observação a seguir:
           
            "O grego do Novo Testamento adaptou-se de modo adequado à finalidade de interpretar a revelação de Cristo em linguagem teológica. Tinha recursos lingüísticos especiais para essa tarefa por ser um idioma intelectual. Era um idioma da mente, mais que do coração, e os filósofos atestam isso amplamente. O grego tem precisão técnica de expressão não encontrada no hebraico. Além disso, o grego era uma língua quase universal. A verdade do Antigo Testamento a respeito de Deus foi revelada inicialmente a uma nação, Israel, em sua própria língua, o hebraico. A revelação completa, dada por Cristo, no Novo Testamento, não veio de   forma tão restrita. Em vez disso, a mensagem de Cristo deveria ser anunciada no mundo todo: '... em seu nome se pregará o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém'" (Lc 24.47)” – Norman Geisler e William Nix – “Introdução Bíblica” –, Vida.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

IMPORTANTE ENTREVISTA SOBRE
ESCATOLOGIA BÍBLICA COM O 
TEÓLOGO ALEX BELMONTE 
NO PROGRAMA DESAFIOS, 
APRESENTADO PELO PASTOR ELY BLUNCK 

CONHEÇA ALGUMAS DE NOSSAS CAPAS:




terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

SAI O PRIMEIRO LOTE DE APOSTILAS DO IBFI

É com grande alegria que noticiamos aqui a produção (que já saiu!) do primeiro lote de apostilas do IBFI - Instituto Bíblico Fundamentos Inabaláveis. Como você pode ver nas fotos abaixo, a primeira apostila a ser lançada foi, é claro, a primeira que compõe a nossa grade de matérias - Bibliologia - matéria da qual temos disponibilizado os slides, que estão sendo postados aqui no blog. As fotos foram tiradas no escritório da Visual Futura, em Porto Novo.

Da Esquerda para a Direita: Elias, Roney e Richard

Da Esquerda para a Direita: Roney, Richard e Elias

Da Esquerda para a Direita: Roney, Elias e Richard

Graças a Deus pela primeira apostila e porquê apesar de dificuldades com equipamentos que encontramos, o material saiu e já está nas mãos de nossos alunos! Orem pelo IBFI
CONTINUAÇÃO DOS SLIDES DE BIBLIOLOGIA - PARTE 4
Abaixo, disponibilizamos mais slides da matéria de Bibliologia, que faz parte da nossa grade de matérias.
Copie e cole em seu computador, use em sala de aula, etc., fique a vontade para fazer uso dos nossos slides. 
O nosso desejo é contribuir para o seu crescimento no conhecimento bíblico-teológico.
Deus o abençoe e Deus a abençoe ricamente em Cristo!!! 










































quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

É com grande satisfação que disponibilizamos abaixo o vídeo do Culto em Ação de Graças pela fundação do IBFI - Instituto Bíblico Fundamentos Inabaláveis -, na Assembleia de Deus em Retiro Saudoso, Cariacica, igreja esta presidida pelo amigo e parceiro, Pastor Everaldo Carvalho Gomes. Por ocasião do evento, o Ministério Amigos Verdadeiros São Para Sempre esteve presente marcando mais uma vez o seu apoio ao IBFI. Nosso agradecimento à esta equipe, liderada pelo Evangelista Weverson Scardini. O culto foi realizado no dia 28 de Janeiro, mês passado, e foi dirigido pelo Pastor Richard. O preletor da noite foi o também amigo, e parceiro do IBFI, Presbítero Aílton, que lidera a Assembleia de Deus Getsêmani no Bairro Aparecida.
Foi para nós um momento marcante!


domingo, 5 de fevereiro de 2012


PARCERIA MINISTERIAL
É com prazer que apresentamos ao estimado internauta e a estimada internauta este vídeo do 
MINISTÉRIO AMIGOS VERDADEIROS SÃO PARA SEMPRE 
que, liderado pelo Evangelista Weverson Scardini, tem dispensado grande apoio ao 
Instituto Bíblico Fundamentos Inabaláveis. 
Que  o MINISTÉRIO AMIGOS VERDADEIROS SÃO PARA SEMPRE  
possa continuar assim: Sempre Orando!
Deus abençoe a todos que compõe esta equipe.


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Dando uma pequena pausa na publicação 
dos nossos slides de Bibliologia,
gostaria de compartilhar com você, estimado leitor e estimada leitora do nosso blog, este vídeo do Pastor David Wilkerson, falecido há alguns meses, onde ele fala sobre "Manifestações Absurdas", relacionadas inclusive com a Teologia da Prosperidade. Já que nesse trimestre estamos estudando sobre esta teologia em nossa Escola Bíblica Dominical, para os que usam a revista Lições Bíblicas, da CPAD, é claro, considerei pertinente a publicação deste vídeo.
Veja com atenção: