sexta-feira, 19 de julho de 2013

Dificuldades Bíblicas

TEXTO BÍBLICO
Desvenda os meus olhos,
 para que eu contemple as maravilhas da tua lei”.
Salmo 119.18

REFLEXÃO
“Nenhum estudioso evangélico devidamente instruído tem o que temer diante dos argumentos e desafios hostis de racionalistas, ou detratores em geral, sejam quais forem seus credos religiosos ou posições teológicas. Há, na própria Escritura, resposta suficiente, capaz de refutar quaisquer acusações que possam ser arremessadas contra ela. Todavia, não se poderia esperar outra coisa do livro que a Bíblia afirma ser: o registro escrito da Palavra infalível e inerrante do Deus vivo”.
Gleason Archer, especialista em dificuldades bíblicas. 

INTRODUÇÃO
         A Bíblia foi escrita numa cultura distante da nossa num tempo muito distante do nosso. O último livro do cânon sagrado[1] a ser escrito foi Apocalipse, como bem sabemos, e isso há mais de 1.900 anos atrás. Há estudiosos renomados em biblicismo[2] que chegam a dizer que o Apocalipse possa ter sido escrito antes mesmo do ano 70 d.C., ao contrário da posição mais tradicional que aceita o ano 96 d.C. Como vemos, estamos muito distantes no tempo dos autores humanos da Bíblia. Há também muitos elementos culturais, religiosos e sociais no AT que se perderam no tempo e não tem mais nenhuma aplicação prática para o leitor contemporâneo, como vemos, por exemplo, no texto de Deuteronômio 23.12-14, que determina que os israelitas deveriam enterrar as fezes fora do acampamento. Podemos citar ainda as vestes sacerdotais com todos os seus arranjos e adornos, que tipificam Cristo, é verdade, mas para nós, hoje, não tem também nenhuma aplicação prática. E o que dizer ainda da diferença das línguas originais da Bíblia para a nossa língua, o português? Como bem sabemos, a Bíblia foi escrita em idiomas que praticamente nem são falados mais, tal como eram nos dias bíblicos. O AT foi escrito em hebraico e em aramaico, mas o hebraico bíblico, como a maioria dos filólogos bíblicos afirma, já nem existe mais, e não é diferente também com o grego koiné, em que foi escrito o NT. A Bíblia também possui declarações e ordens que chocam o leitor contemporâneo, textos enigmáticos e alguns até que são interpretados de formas diferentes pelos teólogos, como veremos em alguns exemplos logo a seguir. É a partir destes fatos que surgem as dificuldades bíblicas. É comum em vários casos o leitor da Bíblia, ao se deparar com determinados textos, pensar que a Bíblia contém erros. Mas será que o erro está na Bíblia ou no leitor da Bíblia? Aqui vemos a importância deste estudo. Diante dos fatos que expomos, é até natural que essas dificuldades existam. O leitor da Bíblia diante destes fatos pertinentes acaba muitas vezes até duvidando da inerrância bíblica e aí pode surgir em sua mente uma pergunta espinhosa: “Se a Bíblia é a Palavra de Deus, e Deus não pode falhar, como pode haver erros na Bíblia, que é a Palavra do Deus que não falha?” É para lidar com essa e outras questões que este trabalho foi preparado. Consideraremos alguns aspectos pertinentes a esta importante parte da Isagoge Bíblica[3], as Dificuldades Bíblicas; vejamos:

I – AS DIFICULDADES BÍBLICAS
         Como vimos no texto anterior, as dificuldades bíblicas existem, até para os mais abalizados estudiosos bíblicos. Mas afinal, o que são as dificuldades bíblicas? Respondemos: qualquer texto, seja no AT ou no NT, que gere determinada confusão na mente do leitor quanto à sua compreensão; pode ser também uma dada declaração bíblica de forte teor (ex. “...certamente todos os ímpios da terra sorverão e beberão as suas fezes” – Sl 75.8) ou ordens que para nós, hoje, seriam totalmente absurdas (ex. Depois disto, o Senhor designou outros setenta; e os enviou de dois em dois, para que o precedessem em cada cidade e lugar aonde ele estava para ir... E lhes fez a seguinte advertência... Não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias; e a ninguém saudeis pelo caminho” – Lc 10.1,2,4 – repare na ordem de Jesus de não saudar a ninguém pelo caminho – um ato de extrema grosseria?).
     
1. O Que são as Dificuldades Bíblicas?
         São textos que apresentam algum tipo de dificuldade de compreensão ao leitor. Essas dificuldades podem ser de várias ordens, como veremos adiante. Mas é importante que de antemão entendamos a diferença entre “dificuldade bíblica” e uma “contradição”. Uma contradição consiste em desacordo, desarmonia, atrito entre narrativas e eventos. Por exemplo, se alguém insistir em afirmar que o autor desta apostila é o Doutor Gleason Archer quando na verdade o autor é outro, e sabemos que o é, isso é uma contradição, contradição com os fatos. Contradição implica em falta de harmonia entre dois relatos. Mas é importante frisar que contradição não é o mesmo que diferença entre relatos. Dois relatos podem ser bem diferentes, mas estarem cada um, a seu modo, narrando o mesmo evento e sendo os dois relatos verdadeiros! É importante ressaltar que ao encontrar uma possível contradição bíblica podemos estar na verdade diante de relatos diferentes, mas relatos diferentes nem sempre são relatos contraditórios. Por exemplo, o caso do cego em Jericó. Mateus relata como dois cegos encontraram Jesus, enquanto Marcos e Lucas citam somente um. Contudo, nesse caso, os relatos diferentes (e não necessariamente divergentes) não se negam, mas são complementares um ao outro.
         Gostaria de incluir aqui, nesta definição do que são as dificuldades bíblicas, um segundo conceito, que considero importante também. Diante do que já foi exposto sobre a Bíblia na introdução desta lição (sobre o fato de que ela é um livro antigo, escrito em línguas diferentes e em cultura diferente da nossa, etc.), é muito comum que milhões de cristãos simples, sem alguma formação teológica, encontrem dificuldade de compreensão do texto bíblico. Tenho sido abordado por alguns irmãos que dizem a mim que lêem e lêem a Bíblia, mas não conseguem entender. Classificarei isso também como uma modalidade de dificuldade bíblica, haja vista esse fato tornar-se um empecilho à compreensão adequada das Escrituras, para muitos cristãos. Mais adiante comentaremos sobre as medidas que deve o cristão tomar para superar as dificuldades bíblicas e tomando essas medidas certamente ele obterá resultados positivos na compreensão correta do texto bíblico.
2. Áreas em que se dão as dificuldades bíblicas.
         As dificuldades bíblicas são catalogadas em grande número. Podemos afirmar com segurança que elas ultrapassam a casa de 800 exemplos! O livro intitulado Manual popular de dúvidas, enigmas e "contradições" da Bíblia[4], de autoria dos doutores Norman Geisler e Tomas Howe, cataloga mais de 800 dificuldades que os críticos identificaram na Bíblia. Essas dificuldades ocorrem em várias áreas:
         - Moral (o caso do extermínio dos povos cananeus, o incesto de Ló, etc.);
         - Teológica (a “discrepância” entre Romanos e Tiago – fé e obras)
         - Matemática ou numérica (ex.: 1 Sm 6.19 – 50.070 ou 70 homens?);
         - Geográfica (o caso dos dois cegos de Jericó – Jesus entrava ou saía de Jericó?);
         - Histórica (o caso dos heteus);
         - Cultural (o exemplo da poligamia na vida de grandes personagens bíblicos);
         - Linguística (dificuldades oriundas de traduções imperfeitas para a língua receptora, no nosso caso, o português); um bom exemplo, que discutiremos depois, são os dois textos a seguir: Hebreus 11.21 e Gênesis 47.31 que relatam o mesmo episódio, mas divergem quanto a Jacó ter se apoiado sobre a extremidade do bordão ou sobre a cabeceira da cama.

CONCLUSÃO
         As dificuldades bíblicas não devem representar para nós motivo de desânimo no estudo contínuo da Bíblia, mas devem ser fator de propulsão para tal. Lembremo-nos que a Bíblia é a revelação de Deus aos homens e nela Ele deseja se fazer conhecido a nós; Ele quis que fosse assim e louvamos a Ele por isso! O erudito bíblico Norman Geisler afirma: “A Palavra escrita... é a autoridade de Deus para solucionar todas as disputas a respeito da doutrina ou da prática. É a Palavra de Deus nas palavras humanas; é a verdade divina em linguagem humana”.



[1] Cânon Sagrado – a referência é ao cânon protestante, que representa a coleção dos 66 livros divinamente inspirados por Deus, que se acham nas Bíblias protestantes.
[2] Biblicismo ciência que se ocupa do estudo da Bíblia.
[3] Isagoge Bíblica é o nome dado à disciplina da Teologia Bíblica que versa sobre a Bíblia, considerando a sua formação, cânon sagrado, cronologia bíblica, preservação e tradução dos textos bíblicos, usos e costumes dos povos bíblicos, etc. É também chamada de Bibliologia ou Introdução Bíblica.
[4] Publicado pela editora Mundo Cristão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário